quarta-feira, 27 de julho de 2016

Homem Crístico


Viana Visão


Um amigo disse que eu era um garimpeiro...  Fui garimpeiro em serra pelada, tempos de juventude e de atitudes pouco pensadas... Mas confesso que ainda gosto de aventuras não desmedidas... Fiquei surpreso e perguntei a ele, como você descobriu que fui garimpeiro? Ele começou a rir e disse eu não sabia... Mas agora que você confirmou! Você continua um excelente garimpeiro de textos especiais...  Foi uma tarde de grande aprendizado, Obrigado meu amigo! Deus sempre, com certeza ele ilumina nossas atitudes... Às vezes não é difícil sentir uma leveza especial, levei muito tempo para distinguir e entender este privilegio... Hoje analiso como se fosse um presente, ou uma dádiva muito especial para mim... Quando fico a pensar em minha vida, tão cheia de desafios passo a compreender, o porquê do aprendizado para valorizar as conquistas afinal tudo tem seu preço...  

O homem crístico é como o sol, suavemente poderoso, poderosamente suave.
É poderoso - mas não exibe poder.
É puro - mas não vocifera contra os impuros.
Adora o que é sagrado - mas sem fanatismo.
É amigo de servir - mas sem servilismo.
Ama - sem importunar a ninguém.
Vive alegre - com grande compostura.
Sofre - sem amargura.
Goza - sem profanidade.
Ama a solidão - sem detestar a sociedade.
É disciplinado - sem fazer disto um culto.
Jejua - mas não desfigura o rosto para mostrar a vacuidade do estômago.
Pratica abstinência de muitas coisas - sem fazer disto uma lei ou uma mania.
É um herói - mas ignora qualquer complexo de heroísmo.
É virtuoso - mas não é vítima da obsessão de virtuosidade. Trabalha intensamente, com alegria e entusiasmo - mas renuncia serenamente, cada momento, aos frutos do seu trabalho.
Assim é o homem que se tornou "LUZ DO MUNDO"
Autor: Huberto Rohden (1893-1981) foi professor, filósofo, conferencista e escritor com mais de 65 obras sobre Ciência, Filosofia e Religião, várias delas traduzidas para outras línguas, inclusive o Esperanto e até mesmo em Braille, para institutos de cegos. Rohden nasceu em Tubarão, Santa Catarina, Brasil. Fez estudos no Rio Grande do Sul. Formou-se em Ciências, Filosofia e Teologia em Universidades da Europa - Innsbruck (Áustria), Valkenburg (Holanda) e Nápoles (Itália). De regresso ao Brasil, trabalhou como professor, conferencista e escritor. Publicou mais de 60 (sessenta) obras sobre ciência, filosofia e religião, editadas pela Editora Vozes (Petrópolis), União Cultural (São Paulo), Editora Globo (Porto Alegre), Livraria Freitas Bastos (Rio de Janeiro), Fundação Alvorada e outra editoras. Rohden não está filiado a nenhuma igreja, seita ou partido político. Fundou e dirigia o movimento mundial Alvorada, com sede em São Paulo. De 1945 a 1946 teve uma Bolsa de estudos para Pesquisas Científicas, na Universidade de Princeton, New Jersey (Estados Unidos), onde conviveu com Albert Einstein e lançou os alicerces para o movimento de âmbito mundial da Filosofia Univérsica, tomando por base do pensamento e da vida humana a constituição do próprio Universo, evidenciando a afinidade entre Matemática, Metafísica e Mística. Em 1946, Huberto Rohden foi convidado pela American University, de Washington, D.C., para reger as cátedras de Filosofia Universal e de Religiões Comparadas, cargo esse que exerceu durante cinco anos. Durante a última Guerra Mundial foi convidado pelo Bureau of Inter-American Affairs, de Washington, para fazer parte do corpo de tradutores das notícias de guerra, do inglês para português. Ainda na American University, de Washington, fundou o Brazilian Center, centro cultural brasileiro, com o fim de manter intercâmbio cultural entre o Brasil e os Estados Unidos, sendo então seu presidente honorário o sr. Nereu Ramos. Na capital dos Estados Unidos, Rohden freqüentou, durante três anos, o Golden Lotus Temple, onde foi iniciado em Kriya Yoga por Swami Premananda, diretor hindu desse ashram. Pelo fim da sua permanência nos Estados Unidos, Huberto Rohden foi convidado para fazer parte do corpo docente da nova International Christian University (ICU), de Metaka, Japão, a fim de reger as cátedras de Filosofia Universal e Religiões Comparadas; mas, devido à guerra na Coréia, a Universidade japonesa não foi inaugurada, e Rohden regressou ao Brasil. Em São Paulo foi nomeado professor de filosofia na Universidade Mackenzie, cargo do qual não tomou posse. Em 1952, fundou, em São Paulo, a Instituição Cultural e Beneficente Alvorada, que mantém cursos permanentes em São Paulo, Rio de Janeiro e Goiânia, sobre Filosofia Univérsica e Filosofia do Evangelho, e dirige Casas de Retiro Espiritual (ashrams) em diversos Estados do Brasil. Em 1969, Rohden foi chamado a Portugal para fazer conferências sobre autoconhecimento e autorealização. Em Lisboa, fundou um setor do Centro de Auto-Realização Alvorada.Ultimamente, Rohden residia na capital de São Paulo, onde permanecia alguns dias na semana, escrevendo e reescrevendo seus livros, nos textos definitivos. Três dias da semana costumava passá-los no ashram, em contato com a natureza, plantando árvores, flores ou trabalhando no seu apiário modelo. Fundamentalmente, toda a obra educacional e filosófica de Rohden divide-se em quatro grandes segmentos: 1) a sede central da Instituição (Centro Auto-Realização), em São Paulo, onde são ministrados cursos e horas de meditação; 2) o ashram, situado a 70 quilômetros da capital, onde são dados, periodicamente, os Retiros Espirituais, de 3 dias completos; 3) a editora MARTIN CLARET, de São Paulo, que difunde, através de livros e cassetes, a Filosofia Univérsica; 4) um grupo de dedicados e fiéis amigos, alunos e discípulos, que trabalham na consolidação e continuação da sua obra educacional. À zero hora do dia 7 de outubro de 1981, após longa internação em uma clínica naturalista de São Paulo, aos 87 anos, o professor Huberto Rohden partiu deste mundo e do convívio de seus amigos e discípulos. Suas últimas palavras, em estado consciente, foram: "Eu vim para servir a Humanidade". Rohden deixa, para as gerações futuras, um legado cultural e um exemplo de fé e trabalho, somente comparado aos dos grandes homens do nosso século. (Texto adaptado do livro “Experiência Cósmica" - Huberto Rohden - Editora Martin Claret.)